segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Gentileza gera gentileza


"A verdadeira tarefa política é a reconstrução de nossos afetos”. (SAFATLE, 2014)
 
Podemos nos perguntar o que acontece nesse momento em que convivemos com tanta intolerância.  Se observarmos os comentários nas redes sociais, ficamos com a sensação de que -para muitos - não há empatia às situações vividas, e de que as pessoas não se colocam no lugar do outro. Postagens sobre acontecimentos trágicos exibem comentários chocantes que nos fazem pensar se realmente as pessoas sentem a dor alheia. E mais do que isso, o quanto as pessoas expressam a violência seja em ações ou e em palavras. É isso que chamamos de democracia? Há uma distinção evidente entre liberdade de expressão e disseminação de ódio e preconceito. Seria o Brasil um país violento que por décadas negamos com a falsa ilusão de que aceitamos tudo e todos? Safatle em sua crônica na Folha de S. Paulo nos convida ao exercício de que política (no que se refere ao modo de se se viver em sociedade, de se pensar atos e leis) tem por princípio a reconstrução dos afetos. E construir novamente algo que perdemos ou que esquecemos? Lidar com o sofrimento de outrem é permitir se afetar pelo o sofrimento exposto à sua frente, e essa, é a possibilidade de reconstrução dos afetos - a implicação verdadeira ao outro. Essas poucas palavras não concluem a época em que vivemos, mas propõem uma reflexão sobre o que fazemos no cotidiano de nossas ações. É sempre tempo de Gentileza! E não deixemos que apaguem tudo e pintem tudo de cinza. 

Um comentário:

  1. Bom texto. Procurando sobre o tema gostei da ideia de reconstrução dos afetos. Acho que ela acompanha a retomada das relações sociais, um conceito que com o advento das redes sociais, tem se tornado bem obscuro na minha opinião. Seguindo o blog. Abs

    ResponderExcluir