segunda-feira, 3 de setembro de 2012

O que fazemos daquilo que somos?

O que fazemos daquilo que somos? Atuar em psicologia é antes de mais nada olhar a si mesmo. Somos o tempo todo confrontado com o que somos, com a nossa própria história, com nossos próprios sentimentos. Aos estudantes costumo dizer que devemos olhar pra nós mesmos, cuidar da gente, refletir sobre o que fazemos na nossa família, na comunidade e assim chegarmos à universidade. Os estágios, os empregos, as aulas sempre nos mostram realidades e o mais íntegro possível é a gente assumir a nós mesmos o nosso limite como humano, pois desta maneira assumimos nosso limite técnico. Se nós não nos sentimos bem atuando em um setor por exemplo por que insistir nisso? Não é mais justo com o outro deixar esse atendimento para quem de fato está entregue àquilo? Por outro lado é impossível sair a mesma pessoa do curso de psicologia, não porque ela funcione como psicoterapia de grupo, longe disso aliás, mas porque colocamos em suspensão nossos pré-conceitos e olhamos as várias possibilidades de existência, de sentidos... Ser psicólogo é viver a diversidade sem julgamento e na tentativa de potencializar nos sujeitos sua autonomia. Liberdade é uma palavra tão usada mas com tamanha complexidade de conceito. Ser livre é de fato estar próximo a si mesmo. Liberdade é optar pelo caminho do respeito. Somos sempre uma entre várias possibilidades. Somos o incompleto.