sábado, 4 de dezembro de 2010

Envolvimento Social

Não tem como deixar de escrever sobre as cenas de guerrilha urbana no Rio de Janeiro que assistimos em tempo real. Pensar que há trinta anos as pessoas daquela comunidade viviam sob regime de exceção privadas de condições básicas e descartadas pelo poder público. Como é fácil para a sociedade deixar à margem o que está fora do alcance de seus olhos. Educar é difícil, explicar o que vimos mais ainda. O que fazemos nós diante das imagens? Qual o papel de cada um de nós na desconstrução desse modelo social? Sair da teoria à prática pode ser o começo; pois sinaliza um esforço em comum em prol do objetivo coletivo de igualdade social, segurança e paz.

Educação sempre é o caminho para a igualdade de oportunidades e desenvolvimento do senso crítico. Não se restringe à escola e à família o a função de orientação aos jovens; arte e esporte devem ter papel de destaque como complementação da educação formal. O jovem deve ser protagonista de sua própria história. A construção é lenta, já que há um abismo social pré-existente, mas a criança de hoje é o país de amanhã.

Nenhum comentário:

Postar um comentário